As minhas pessoas

Este ano deixei as resoluções de ano novo para adiante. Ainda me falta tanto para saber o que quero que prefiro andar e ver a forma que o caminho vai tomando. Para já só sei que vou guardar o que aprendi com o ano que passou.
Não aprendi muito mas descobri o que me faz mais feliz: as pessoas. As minhas pessoas.
As minhas pessoas contam-se pelos dedos das mãos e eu tenho o péssimo hábito de não as saber cuidar. No entanto, elas permanecem lá, como se soubessem que eu não tenho emenda. Elas reconhecem que tenho a mania de ser forte e rija mas também sabem que no fundo não passo de uma atriz (das fracas) e que sem ninguém não sou nada.
Passo pouco tempo com as minhas pessoas, tenho sempre desculpa, tantas vezes válida e outras tantas esfarrapada. Não lhes dou tanto de mim como devia mas sei apreciá-las como elas o merecem. A presença das minhas poucas pessoas enche-me o coração e eu tenho de aprender a agradecê-las pelo bem que me fazem. Quando o coração está pequeno, basta um sorriso dos meus para crescer em tamanho.
Um dia paga-vos o bem que me fazeis e isso dá direito a passagens de ano bem luxuosas. Até lá continuo a raspar raspadinhas e a pedir a vossa companhia de quando a quando com uns cafés pagos pelo meio. Não me posso habituar mal ou ainda vos tomo por garantidos.

3 comentários:

Diana Machado disse...

passar tempo com as nossas pessoas é o que mais deveríamos fazer na vida :)

Joana disse...

Eu também sou um bocado desnaturada mas cada vez dou mais valor às minhas pessoas.

Joana Sousa disse...

Sofro do mesmo "mal". Por sorte, as pessoas vão continuando por lá. Confesso que não percebo porque é que fazemos isto, mas...pelo menos sabemos que o fazemos. Já é um primeiro passo!

Jiji