Estou farta (farta no sentido de o saber de coração e não como estando saturada) de sentir que a minha vida são os outros, os meus poucos mas enormes que fazem de mim aquilo que sou. Só consigo ser feliz se os souber felizes. Ou seja, a minha felicidade está limitada pela felicidade deles, não consigo avançar sem eles avançarem comigo. Quero crescer, viver, olhar para trás e dizer “isto vale bem a pena”. Apreciar a vida como as rimas que escrevo sem noção e que de tão lamechas e parolas me fazem querer rir um bocadinho.
Mas optar pela minha felicidade é tornar-me egoísta e mal agradecida.



2 comentários:

Joana Sousa disse...

Ser, não é, é mais o que tu sentes. Mas se tu estiveres feliz, é porque os outros também estão. Mas a felicidade é feita de momentos e não uma coisa permanente, por isso a tua felicidade não irá impedir a de ninguém :)

Jiji

Marta Moura disse...

Esta foto está qualquer coisa!